Servidora Municipal é presa por torturar criança em abrigo da Prefeitura de Cachoeira

A servidora da Prefeitura Municipal de Cachoeira do Sul L.C.D.C, 52 anos foi condenada por torturar um bebê de cinco meses em no Lar Bem Me Quer, em novembro de 2016. O abrigo da Prefeitura cuida de crianças em situação de vulnerabilidade. A juíza Rosuita Maahs aplicou a sentença de dois anos e seis meses em regime aberto, mantida pelo Tribunal de Justiça.

O caso veio à tona, quando funcionários do abrigo gravaram o choro da criança enquanto era agredida. Com um celular eles flagraram o som da mulher dando palmadas e tentando sufocar a criança. Em seguida, a gravação foi levada à polícia.Ela é funcionária pública e trabalhava em um abrigo municipal, que atende crianças em situação de vulnerabilidade social. A delegada responsável pelo caso (na época em que a agressão ocorreu), Fabiana Bittencourt, considerou “totalmente impróprias” as atitudes da mulher.

“(São) totalmente incondizentes com a situação de alguém que trabalha num local como esse porque normalmente já são crianças que vem de um ambiente da criminalidade e são colocadas nos abrigos como uma última possibilidade”, entende a policial.Testemunhas disseram à polícia que a mulher também já tinha xingado outras crianças. “(Ela) utilizava expressões chamando de praga, crioulo, também nos chamou atenção ela dizendo que chegou para trabalhar no inferno”, observa a delegada.

L.C.D.C já esta cumprindo sua sentença no Presídio Estadual de Cachoeira do Sul.

Converse com a Fandango