Gaúchos “deem um tempo na roda de chimarrão” para evitar coronavírus, diz Ministro da Saúde

O ministro da Saúde, Luis Henrique Mandetta , sugeriu durante coletiva de imprensa nesta quarta-feira (26) que os gaúchos “deem um tempo na roda de chimarrão”. A sinalização ocorreu após a confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil, também na coletiva.

O motivo da recomendação é que a doença é transmitida a partir de gotículas que saem da boca das pessoas contaminadas. Como tradicionalmente as pessoas compartilham o chimarrão e as gotículas podem ficar na bomba da bebida, a ocasião se torna propícia para a transmissão do coronavírus e outras infecções respiratórias.

A infectologista Lessandra Michelin, diretora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), lembra que não apenas a roda de chimarrão pode ser um fator de transmissão de vírus: tomar caipirinha no mesmo copo ou beber água de coco compartilhando canudo também entram nessa lista.

 — Não é só o chimarrão. É o mesmo risco de quem foi para o Carnaval e beijou muito. Se deve parar? O mais importante é estar consciente de que esse hábito pode ser arriscado em uma época de risco. Isso acontece com qualquer compartilhamento — justifica.

Mandetta fez a mesma orientação em relação ao tereré, bebida consumida tradicionalmente em Estados como o Mato Grosso do Sul, o Mato Grosso e o Paraná. O tereré também envolve infusão de erva-mate e uso de bomba para a sucção, mas é bebido frio.

 

 

Fonte Gaúcha/ZH

Converse com a Fandango