Saúde reforça prevenção contra ISTs durante o Carnaval

Mantendo o slogan “Ô, abre alas, mas não deixa a Aids passar”, lançado em 2023, a campanha “Carnaval 2024 – O Bloco Voltou” chama a atenção para uma folia consciente. Com a chegada das festividades típicas do período, a Secretaria da Saúde (SES) reforça o alerta para os cuidados com a saúde, em especial para a prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

O Rio Grande do Sul ainda registra números preocupantes de infecção pelo vírus HIV e o consequente desenvolvimento da Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (Aids). Em âmbito nacional, ocupa a 6ª posição no ranking de estados com a maior taxa de detecção de casos de Aids, de acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado em dezembro de 2023. Em média, são registradas 3 mil novas infecções pelo HIV por ano, tendo como base os últimos cinco anos, o que significa que a epidemia ainda persiste enquanto problema de saúde pública.

Paralelo a isso, o Carnaval é uma época de maior vulnerabilidade às ISTs, pois, com o aumento do consumo de álcool e outras drogas, as pessoas ficam mais propensas a terem relações sexuais desprotegidas. A área técnica da Divisão de IST/Aids da SES alerta que interações entre substâncias e a própria empolgação com o clima de festa são fatores que podem diminuir a percepção de risco e o autocuidado. Desta forma, é importante ter em mente estratégias de redução de danos e de prevenção combinada durante o Carnaval.

De acordo com a chefe da Divisão de Doenças de Condições Crônicas Transmissíveis e Não Transmissíveis da SES, Fernanda Carvalho, os cuidados com a saúde e prevenção às ISTs são importantes durante o ano inteiro; porém, o reforço no período carnavalesco tem como intuito alertar para situações de maior exposição. “O objetivo é conscientizar a população a aproveitar o Carnaval sem esquecer que se prevenir é fundamental, pois um descuido pode trazer prejuízos à saúde”, explicou Fernanda.

Acesso gratuito a preservativos, profilaxias e testagem 

Preservativos internos e externos e gel lubrificante estão disponíveis gratuitamente para a população em todos os municípios do Estado. A retirada pode ser feita nas Unidades Básicas de Saúde. Eles são a maneira mais eficaz de prevenir infecções sexualmente transmissíveis e gestações indesejadas. Em janeiro deste ano, a SES distribuiu aos municípios cerca 1,8 milhão de unidades de preservativos e 380 mil unidades de gel lubrificante.

Além da camisinha, a Profilaxia Pré-exposição (Prep), a Profilaxia Pós-exposição (Pep) e a testagem são combinações ofertadas no Sistema Único de Saúde para o gerenciamento de risco e cuidado personalizado de acordo com o estilo de vida e comportamento de cada usuário. Algumas ISTs também possuem vacinas disponíveis pelo SUS, como hepatites virais B e HPV (Papiloma Vírus Humano).

O teste rápido para o HIV, a sífilis e as hepatites virais pode ser feito em qualquer unidade de saúde. Em caso de resultado positivo, os profissionais de saúde farão os encaminhamentos, seja para a confirmação do resultado, seja para o início do tratamento.

Em 2023, o Rio Grande do Sul, no âmbito do SUS, realizou 790 mil testes rápidos para detecção de HIV; 776 mil para sífilis; 687 mil para hepatite B; e 688 mil para hepatite C. Todos os testes foram distribuídos pelo Estado às secretarias municipais de Saúde.

Em janeiro de 2024, a área técnica da Coordenação Estadual de IST/Aids também realizou visitas aos serviços especializados para acompanhar a execução dos testes rápidos e melhorar a qualidade de diagnóstico de HIV, sífilis e hepatites.

 

Onde encontrar 

  • Unidades Básicas de Saúde – distribuição gratuita de preservativos e gel lubrificante
  • Outros locais especializados no atendimento a HIV/ISTs no Estado: acesse aqui
Converse com a Fandango