Estado divulga último levantamento do impacto das chuvas na produção rural

Um relatório que apresenta perdas relacionadas a infraestrutura, produção primária, pecuária e pastagens – em decorrência do granizo e das chuvas e dos ventos fortes que atingiram o Rio Grande do Sul – foi divulgado pela Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) na terça-feira (28/11). O documento, que abrange os eventos climáticos ocorridos entre 16 e 24 de novembro, foi elaborado pela Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/RS). Os dados são oriundos do sistema Sisperdas – abastecido, em primeira mão, com informações de todos os escritórios regionais e municipais da Emater.

Segundo o relatório, 198 municípios apontaram perdas no setor agropecuário, sendo que 115 deles decretaram situação de emergência em 12 regiões funcionais da Emater/RS. O número de localidades atingidas foi de 3.220, e o de propriedades afetadas é de 72.318.

Em relação à infraestrutura, 37.640,65 quilômetros de estradas vicinais foram afetados, e 1.238 comunidades enfrentaram problemas de escoamento da produção. Ao todo, 434 fontes de água foram contaminadas e 8,4 mil famílias ficaram sem acesso a agua. O número de produtores que tiveram suas construções e instalações afetadas chegou a 6.307, sendo que foram prejudicados 63 armazéns, 71 silos, 242 estufas de fumo, 1.161 estufas/tonéis plásticos para horticultura, 578 aviários, 772 açudes e 229 pocilgas.

As principais culturas de grãos afetadas foram trigo, soja, milho, milho silagem e arroz. Os prejuízos nas áreas de produção de trigo atingiram 120,6 mil hectares, com uma estimativa de perda de mais de 205 mil toneladas. As perdas nas lavouras de soja foram reportadas por 4.006 produtores, afetando 83,5 mil hectares. Nas lavouras de milho, foram perdidas 131,6 mil toneladas, em 67,4 mil hectares, prejudicando 10.302 agricultores.

Também há registro de perdas nas lavouras de aveia (825 toneladas), cevada (12,5 mil toneladas), canola (3,2 mil toneladas), linho (1,2 mil toneladas), feijão 1ª safra (307 toneladas), milho silagem (377,8 mil toneladas) e aveia branca (223,5 mil toneladas). O total de produtores com prejuízos no setor de grãos chegou a 19.711.

Em relação à fruticultura, 6.915 produtores registraram perdas na produção. As culturas mais afetadas foram de uva de indústria, maçã e bergamota. Outros 2.923 produtores indicaram prejuízos em olerícolas e 9.165 apontaram danos na produção de fumo.

Sobre as pastagens, foram atingidos 15.320 hectares de pastagem nativa, 24.290,50 hectares de pastagem cultivada e 6.440 hectares de silagem, com um total de 5.932 produtores prejudicados.

A atividade pecuária nas regiões afetadas registrou problemas para 286 produtores. Foram perdidos 260 bovinos de corte, 29 de leite, 181 suínos, cera de 167 mil aves comerciais, 72 toneladas de peixes e 5.160 caixas na apicultura. Na produção leiteira, 7,69 milhões de litros de leite não puderam ser coletados e 3.412 produtores foram prejudicados.

Converse com a Fandango