Primeiro dia com 59 atendimentos no Centro de Baixa Complexidade junto ao INSS

O Centro de Atendimento de Baixa Complexidade, aberto nesta quinta-feira (19/05) pela Prefeitura Municipal na tentativa de auxiliar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em sua sobrecarga de pacientes, contabilizou 59 procedimentos até as 16h deste primeiro dia. O levantamento parcial fornecido pela coordenação do serviço (com dados coletados até às 16h, já que o serviço permanece em atividade até às 17h) informa que, do total de usuários, 19 foram transportados da UPA para o prédio do INSS, no centro da cidade, pela van disponibilizada pela Secretaria Municipal da Saúde. Outros 40 pacientes foram por conta própria diretamente à sede do Centro Princesa do Jacuí. Em contrapartida, até às 15h do mesmo dia, a demanda de atendimentos da unidade da zona norte já havia somado a marca dos 100.

Consideramos um número importante para a abertura do serviço, por tratar-se de novidade à população e por ser uma fase de experimentação das práticas implantadas e adequação dos fluxos de trabalho, tanto para a Prefeitura como para a UPA”, avaliou o secretário municipal da saúde, Marcelo Figueiró, destacando que foram quase 60 consultas a menos no pronto atendimento da zona norte nesta quinta-feira e 19 contribuintes que puderam ter assistência mais ágil do que teriam no primeiro lugar da busca. “Nossa meta é tomar conta dos casos de menor gravidade, deixando para a UPA os quadros de urgência e emergência”, concluiu.

Estima-se que, neste primeiro dia de operações, pelo menos 10 pacientes recusaram o translado da Prefeitura para a unidade central (preferindo aguardar por mais tempo para ser atendido na UPA) ou desistiram da consulta ainda na unidade de origem.

SOMA DE ESFORÇOS

Nesta perspectiva, foi criado o Centro de Atendimento às Demandas Clínicas de Baixa Complexidade, onde está atuando uma equipe extra (médico clínico geral, enfermeiro e técnicos de enfermagem) na assistência aos casos leves e casos menos graves, exatamente os que aguardam por mais tempo na fila de espera da UPA. O titular da Saúde destaca que o esforço na criação do novo serviço vem somar-se às providências que já haviam sido determinadas pela secretaria ainda no mês passado, a principal delas a de autorizar o aditivo ao contrato mensal da ordem de R$ 98.632,50 mensais ao Hospital de Caridade e Beneficência, que já percebe mensalmente a quantia de R$ 717.334,25 para administrar a UPA, a fim de subsidiar a contratação de equipe e insumos adicionais.

NÚMEROS DO 1º DIA

* UPA – Diariamente, 24h (dados até 15h)

Atendimentos promovidos por médico da UPA – 100 pacientes

Destes, 75 foram classificados com a cor verde (casos menos graves) e três com a cor azul (casos leves) passaram por médico da UPA.

Pacientes nas cores verde e azul encaminhados ao novo centro de baixa complexidade (prédio do INSS) – 19 pacientes

Estima-se que pelo menos 10 pacientes neste período recusaram o translado da Prefeitura para a unidade central ou desistiram da consulta ainda na UPA

* CENTRO DE ATENDIMENTO DE BAIXA COMPLEXIDADE (até 16h)

Segundas às sextas-feiras, das 8h às 12h e das 13h às 17h

Atendimentos promovidos por médico atuando no Centro – 59 pacientes

Pacientes que procuraram diretamente o serviço – 40 pacientes

Pacientes transferidos da UPA – 19 pacientes

Traslados da UPA para o Centro – 3 viagens

Centro de Atendimento às Demandas Clínicas de Baixa Complexidade

Estrutura: consultório médico, sala de procedimentos de enfermagem, sala de medicação e sala de observação com 4 poltronas

Equipe: médico clínico geral, enfermeiro e técnicos de enfermagem

Foco do serviço: usuários classificados como casos leves (cor azul) e casos menos graves (cor verde), conforme Protocolo de Manchester, que estabelece a gravidade e o tempo de espera (urgência) para atendimento de cada paciente – mesmo parâmetro usado pela UPA;

Traslados UPA/Centro de Atendimentoum furgão utilitário da Secretaria Municipal da Saúde será destinado ao deslocamento da demanda extra de pacientes da UPA para a nova unidade central, com viagens que permitirão o transporte de até 15 pacientes por vez. A frequência das viagens obedecerá a dois critérios: o fluxo aguardando na UPA e a capacidade de atendimento disponível no novo centro no período indicado. Vale lembrar que os usuários do SUS estarão sendo orientados desde já a procurarem diretamente a unidade da rede municipal.

Converse com a Fandango