Filmes brasileiros perderam mais de 90% de público e renda nos cinemas em 2021

A reabertura gradual dos cinemas no Brasil no ano passado ajudou o setor a recuperar parte do prejuízo causado pela pandemia de coronavírus. Em relação a 2020, a renda com bilheterias aumentou 34,8%.

Os cinemas brasileiros arrecadaram quase R$ 840 milhões, segundo dados da Ancine (Agência Nacional do Cinema). Mas a recuperação só aconteceu para os filmes internacionais. Títulos brasileiros viram público e receita diminuírem mais de 90% no ano passado, mesmo com mais lançamentos em cartaz.

Para se ter uma ideia da queda, em 2020, 189 filmes nacionais tiveram 9 milhões de espectadores e R$ 142 milhões de renda. Já em 2021, 209 longas registraram 700 mil espectadores e R$ 11 milhões de renda.

Com os títulos internacionais, a conta foi inversa: menos filmes em cartaz, mas muito mais dinheiro e público: em 2020, 466 longas, 29,6 milhões de espectadores e R$ 480 milhões de renda. Em 2021, 343 filmes, 47,7 milhões de espectadores e R$ 828 milhões de renda.

Assim, os filmes brasileiros foram responsáveis só por 1,3% de toda a bilheteria no País no ano. Para o cineasta Paulo Sérgio Almeida, o número segue a estratégia de lançamento dos filmes brasileiros.

“O único filme lançado para o cinema foi “Marighella”, com bilheteria excepcional, muito melhor do que se esperava. Os outros filmes apenas cumpriram uma passagem pelo cinema para ir para o streaming. O mercado de cinema está em uma fase intermediária entre os lançamentos dos cinemas e a produção e os lançamentos no streaming”, explicou Almeida.

Segundo o cineasta, a campanha de marketing para que um lançamento vá bem nos cinemas precisa de, no mínimo, R$ 1,5 milhão. Por isso, torna-se caro.

 

 

fonte O Sul

Converse com a Fandango