José Otávio Germano será convocado pelo Estado para prestar informações sobre ações de combate ao Covid

Pela segunda vez, o Gabinete de Crise convocou prefeitos, associações regionais e membros do comitê regional da região Covid de Cachoeira do Sul para uma reunião específica de alinhamento do plano de Ação implementado. Desta vez, a reunião, que ocorreu nesta quarta-feira (30/6) por meio de videoconferência, contou com a participação de promotores do Ministério Público (MP) dos municípios que compõem a região.

Encontros específicos com as regiões estão ocorrendo neste mês de junho, na medida em que o monitoramento diário de dados, feito pelo GT Saúde e pelo GT Protocolos, concluiu que as medidas adotadas nas regiões com Alerta dentro do Sistema 3As de Monitoramento não estão sendo suficientes para frear o contágio. A secretária da Saúde, Arita Bergmann, coordena as reuniões, com participação do secretário de Articulação e Apoio aos Municípios, Luiz Carlos Busato, e do procurador-geral de Justiça, Marcelo Dornelles.

“Precisamos pactuar o que é preciso ser feito pelo comitê técnico regional em relação ao plano de Ação, com medidas mais duras para que a região possa melhorar os indicadores, uma vez que ela está nos preocupando muito”, reforçou a secretária Arita.

Cachoeira do Sul apresentou, nos últimos dias, uma leve queda no número de casos, mas ainda bastante superior à média estadual. É a quarta pior incidência de casos do Estado, bem acima da média do Estado. Além disso, tem a maior taxa de mortalidade na última semana, maior que o dobro da taxa do Estado, e a maior taxa de ocupação de leitos de UTI entre todas as regiões Covid-19. A região de Cachoeira do Sul recebeu Alerta em 18 de maio e, desde então, recebeu seis Alertas. Confira o histórico da região.

“Se nada for feito, não vamos conseguir reduzir o número de casos, de internações e de óbitos na região. E, se a variante delta chegar hoje ao Rio Grande do Sul, a região de Cachoeira não terá retaguarda necessária para acolher os pacientes com Covid-19, correndo risco de colapso total hospitalar”, alertou Arita. Por enquanto, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) ainda não registrou casos de coronavírus causados pela variante indiana.

De acordo com a promotora de Justiça de Cachoeira do Sul, Débora Jaeger Becker, o Ministério Público observou que, desde os primeiros Alertas, as medidas na região de Cachoeira do Sul foram apenas flexibilizadas, e não enrijecidas, conforme orientação do Gabinete do Crise. “Muito nos preocupa a discrepância entre a realidade técnica, embasada em dados, e as práticas adotadas pela região”, destacou.

Os prefeitos da região apontaram que o município de Cachoeira do Sul não tem seguido as orientações acordadas no plano de Ação. Sendo assim, o coordenador do Gabinete de Crise, Marcelo Alves, convocou uma reunião com o prefeito José Otávio Germano para esta quinta-feira (1/7), também com participação do Ministério Público e da SES.

Por parte da SES, a secretária Arita reforçou a disponibilidade de equipamentos e de mais recursos para ampliar a fiscalização do cumprimento de medidas.

Pelo MP, além da promotora Débora e do procurador-geral de Justiça, também participaram a subprocuradora-geral para assuntos jurídicos Ângela Salton Rotunno e a coordenadora do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos, Gisele Müller Monteiro.

Converse com a Fandango