Cachoeira e região permanecem em bandeira laranja, mas entra em alerta

Na semana em que o Estado completa seis meses desde a notificação do primeiro caso de coronavírus, em 10 de março, o modelo de Distanciamento Controlado chega à 19ª rodada. O mapa preliminar traz sete regiões em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto para Covid-19). As outras 14 regiões estão em bandeira laranja (risco epidemiológico médio). Cachoeira do Sul e região mantem-se na laranja, mas entra em estado de alerta devido as hospitalizações que na semana passada chegaram a 100% e nesta a 30%

Além de Porto Alegre, Erechim e Palmeira das Missões – três regiões que já estavam em bandeira vermelha e se mantiveram nesta rodada –, os indicadores apontaram piora em outras quatro regiões. Santa Maria, Guaíba, Passo Fundo e Caxias do Sul completam as sete regiões classificadas em vermelho neste mapa preliminar.

Em todo o Rio Grande do Sul, houve queda em alguns indicadores, como hospitalizações (-7%) e internados em leitos clínicos (-14%). Ocorreu também estabilização no número de leitos livres.

Como houve um aumento dos pacientes internados por outros motivos, a razão de leitos livres para cada ocupado por Covid-19 apresentou leve queda, mantendo-se abaixo de um leito livre para cada ocupado, o que exige cautela para não permitir novas acelerações no número de internações pela doença no Estado.

 

Alertas

Chamou a atenção da equipe que monitora o modelo um forte crescimento nas hospitalizações por Covid-19 em pelos menos seis regiões – nas regiões de Santa Maria (117,4%), Santa Rosa (85,7%), Cachoeira do Sul (50%), Bagé (37,5%), Guaíba (21,9%) e Santo Ângelo (20,7%).

DC semana19 hospitalizações

Ajustes em indicadores

A atual fase da pandemia, na qual a ocupação de leitos de UTI por Covid-19 indica um estágio de estabilização, permitiu, nesta semana, uma revisão de dois indicadores do Distanciamento Controlado que medem a capacidade de atendimento da rede hospitalar. Nas primeiras semanas do modelo de bandeiras, para que uma região alcançasse a classificação amarela, por exemplo, era preciso apresentar sempre um número maior de leitos de UTI livres do que na semana anterior (tanto na região quanto no Estado como um todo).

No esforço em ampliar a capacidade instalada, o governo do Estado conseguiu dobrar o total de leitos de UTI disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). Hoje, são 1.856 unidades habilitadas – no início da pandemia, eram 933 leitos. Diante da estabilidade de ocupação por Covid-19 nos últimos dias, se percebe agora um aumento de pacientes em UTI por outras razões (a ponto de reduzir o número de leitos livres), atendendo parte da demanda reprimida durante os meses anteriores. Ou seja, há possibilidade de haver redução de leitos livres de UTI mesmo que a pandemia se mostre estável.

No formato que vigorou até a 18ª semana do modelo, essa situação poderia representar aumento de regiões sob bandeira vermelha, mesmo sem uma maior ocupação de leitos e de hospitalizações por Covid-19. O ajuste específico nesses dois indicadores estabeleceu novos parâmetros de redução dos leitos de UTI livre para classificações de bandeira: amarela (até 10%), vermelha (até 17,5%), vermelha (até 25%) e preta (acima de 25%).

• Clique aqui e acesse a nota técnica com as justificativas de classificações das regiões.

RESUMO DA 19ª RODADA

Regiões que apresentaram piora (4)
LARANJA > VERMELHA
– Santa Maria
– Guaíba
– Passo Fundo
– Caxias do Sul

Regiões que apresentaram melhora (5)
VERMELHA > LARANJA
– Capão da Canoa
– Novo Hamburgo
– Canoas
– Santo Ângelo
– Cruz Alta

Regiões que permanecem iguais (12)
VERMELHA
– Porto Alegre
– Palmeira das Missões
– Erechim

LARANJA (9)
– Taquara
– Santa Cruz do Sul
– Lajeado
– Ijuí
– Santa Rosa
– Uruguaiana
– Pelotas
– Bagé
– Cachoeira do Sul

REGIÕES EM COGESTÃO (17)
– Capão da Canoa
– Taquara
– Novo Hamburgo
– Canoas
– Porto Alegre
– Santo Ângelo
– Cruz Alta
– Ijuí
– Santa Rosa
– Palmeira das Missões
– Passo Fundo
– Pelotas
– Caxias do Sul
– Cachoeira do Sul
– Santa Cruz do Sul
– Lajeado
– Erechim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *