Retirada de vacina contra aftosa trará economia de R$ 200 milhões ao ano para produtores Gaúchos

A retirada da vacinação contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul poderá representar economia de R$ 214 milhões ao ano para produtores, levando-se em conta os custos das doses, a logística de distribuição, mão de obra e a perda de peso dos animais por reação à vacina. Estes dados foram apresentados pelo secretário da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, durante o evento Tá na Mesa, da Federasul.

Além desta economia, o secretário destacou o aumento no potencial de novos negócios com a retirada da vacina, uma vez que abrirá as portas da carne gaúcha para mercados mais exigentes, que não compram de locais com vacinação e, portanto, pagam mais.

“Em conversas com empresas do setor e com o governador, é possível que haja investimento de R$ 13 bilhões em novas plantas frigoríficas no Estado assim que a retirada da vacina se concretizar”, afirmou. Somente no segmento de suínos, a estimativa é de que haja um acréscimo de R$ 600 milhões ao ano nas exportações.

A secretaria passa, no momento, pelas etapas finais de adequação aos 18 apontamentos levantados pelo Ministério da Agricultura para avaliar as condições com o objetivo de ser retirada a vacinação. “Já cumprimos 12 desses apontamentos. Agora estamos trabalhando na contratação de 150 auxiliares administrativos para ampliar o quadro de pessoal e liberar os fiscais para a fiscalização. Também está em condução a aquisição de 100 veículos, sendo 72 deles pelo Estado e 28 pelo governo federal”, informou o secretário.

Nova auditoria deve ser realizada em agosto deste ano, para confirmar a retirada da vacinação ou levantar novos pontos de adequação.

Na última etapa de vacinação, antecipada para março, 97,06% do rebanho gaúcho foi imunizado. Caso o Rio Grande do Sul consiga a evolução do status sanitário, esta será a última campanha de vacinação no Estado.

Converse com a Fandango