Desculpe, não possível recuperar os dados no momento.

Mortes por coronavírus se concentram em poucas cidades no mundo

 Novo epicentro do coronavírus no mundo, Nova York concentra 29% de todas as mortes pela doença nos EUA, apesar de possuir apenas 3% da população americana. A grande concentração de vítimas em algumas poucas cidades ou regiões é uma característica presente em outros países, como Brasil, Itália e Espanha.

São mais de 3.000 mortos entre os novaiorquinos, que têm 70 mil contaminados -859 para cada 100 mil habitantes.

Estudos apontam que a densidade populacional é uma das explicações para a rápida propagação da doença nas cidades. Altamente contagioso, o vírus se dissemina facilmente no transporte público, parques, shoppings centers e espaços comuns, e o alto fluxo de turistas e viajantes pode ter contribuído para a sua difusão.

Em todo o mundo, já são mais de 1,3 milhão de infectados, 27% deles nos Estados Unidos.

Os europeus, porém, detêm o maior número de óbitos. A maior concentração está na Lombardia, região no norte da Itália que tem mais da metade dos mortos no país e quase o mesmo número de todo os EUA.

Segunda em quantidade de mortos, a Espanha tem o foco da epidemia na região de Madri. Com 14% da população espanhola, contabiliza 39% das mortes.

No Brasil, o epicentro é a capital paulista. A cidade tem 220 óbitos, cerca de 40% dos 553 brasileiros que perderam a vida para a Covid-19, mas reúne 6% da população.

Ao menos 113 municípios no Brasil já tiveram mortos pela doença, segundo balanço da Plataforma colaborativa Brasil.IO com base em boletins das secretarias de Saúde.

A Coreia do Sul, tida como modelo no controle da epidemia, tem 69% das mortes em Daegu, ao sul da capital Seul. Todo o país, porém, tem menos mortes que São Paulo.

Embora o primeiro caso tenha sido confirmado na Coreia há 76 dias, foram contabilizados, até o momento, 186 mortos. Na capital paulista, o vírus chegou há 41 dias.

A maior concentração acontece na China. A província de Hubei, onde o coronavírus surgiu, tem 96% dos óbitos do país e abriga 4% dos chineses.

 

 

fonte Gaúcha/ZH

Converse com a Fandango