Importação de vinhos no Brasil duplica em cinco anos

De janeiro a maio deste ano, 60 milhões de litros de vinhos entraram no país, 64% a mais que 2018 e o dobro em relação a 2015.
Acordo entre Mercosul e União Europeia deve impulsionar ainda mais as comercializações entre os continentes

O Brasil nunca importou tanto vinho tranquilo como em 2019. De janeiro a maio deste ano, as comercializações cresceram 100% em valor e 122% em volume, comparado a igual período de 2015. O desempenho mostra o potencial do mercado brasileiro, que, após o encerramento das negociações do acordo entre União Europeia e Mercosul, deve ganhar maior evidência com a nova fronteira comercial. A expectativa é que os rótulos estrangeiros fiquem até 30% mais baratos no país. Com isso, a necessidade que os vitivinicultores brasileiros terão de promover seus produtos e competirem com os vinhos internacionais deverá consolidar eventos voltados para o trade, como a Wine South America, maior feira profissional de vinho da América Latina.

Dados do Comex Stat, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), de janeiro a maio deste ano, 60 milhões de litros de vinhos tranquilos foram importados pelo Brasil. Foram negociados US$ 188,9 milhões, com preço médio de US$ 3,15 por litro. Chile, Portugal, Argentina, Itália e Espanha integram, nesta ordem, o ranking de principais exportadores. Em 2015, 27 milhões de litros de vinhos tranquilos entraram no país, contabilizando US$ 94,4 milhões negociados.

Neste cenário, a Wine South America deverá estreitar relacionamentos e ampliar ainda mais este mercado em ascensão. Até o momento, já está confirmada a participação de expositores de oito países, com 52 vinícolas internacionais, além da presença dos principais players nacionais. Expositores do Chile, Argentina, Uruguai, África do Sul, Portugal, Itália, França e Espanha estarão no evento que ocorre de 25 a 27 de setembro, em Bento Gonçalves (RS).

A segunda edição da feira já conta com um portfólio de rótulos como da francesa Rendez Vous Occitans, da sul-africana Robinson & Sinclair, das espanholas do Grupo Faustino e da chilena Sur Valles. Estandes coletivos como o do Wines of Argentina, com 30 empresas, também estarão presentes, reforçando o posicionamento de principal evento do setor no continente.

Segundo Raquel Salgado, presidente-executiva da Associação Brasileira de Exportadores e Importadores de Bebidas e Alimentos (A.B.B.A.), o baixo consumo per capita no Brasil (dois litros por habitante/ano) não é visto como um problema, mas como um indicativo de oportunidade de crescimento da categoria no maior país latino-americano.

“A Wine South America propiciará a divulgação das marcas aqui na América do Sul e a descoberta de novos clientes, apostando no desenvolvimento comercial”, assinala.
A feira internacional do vinho deve reunir 250 marcas do Brasil e do Exterior, incluindo os setores de destilados e olivicultura. A relação das vinícolas que já confirmaram presença na Wine South America pode ser conferida em www.winesa.com.br

Importação de vinhos tranquilos / Janeiro a maio

Jan/Mai

Volume (litros)

Valor (US$)

Preço médio por litro (US$)

2015

27.010.976

94.453.218

3,50

2016

26.733.982

83.629.397

3,13

2017

37.538.630

103.252.649

2,75

2018

36.561.548

122.426.618

3,35

2019

60.044.072

188.961.527

3,15

Total

187.889.208

592.723.409

3,17

Fonte: Comex Stat – Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC)

Converse com a Fandango