Passa de 200 o número de casos de Dengue confirmados no Estado

O número de casos confirmados de dengue chega a 217 no Rio Grande do Sul. O novo boletim epidemiológico foi publicado nesta semana pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs). Até a última semana, eram 174 casos, o que significa que houve aumento de 24,7%.

Do total de casos confirmados neste ano, 162 são autóctones, ou seja, contraídos dentro do Estado. Estes registros ocorreram nos municípios de Alvorada, Candido Godói, Canoas, Erechim, Erval Seco, Esteio, Glorinha, Horizontina, Ijuí, Ivoti, Marau, Palmeira das Missões, Panambi, Porto Alegre, Santa Bárbara do Sul, Santa Rosa, Santo Ângelo, Santo Antônio das Missões, São Borja, São Leopoldo, Sapucaia do Sul, Sarandi, Tenente Portela, Três de Maio, Três Passos, Tuparendi e Viamão. Outros 428 casos foram descartados e 216 continuam em investigação.

Chefe da Divisão Epidemiológica do Cevs, Tani Ranieri afirma que o Estado monitora o avanço da doença, mas que, comparado a outras regiões do país, o Rio Grande do Sul não tem número tão elevado.

— Dos 340 municípios infestados (pelo Aedes aegypti), mais de 70 têm alto índice de infestação, o que potencializa o risco de transmissão da doença. Precisamos de ação conjunta entre órgãos públicos, instituições privadas e população. Se os focos de água parada se mantiverem, o risco de circulação da doença é aumentado — alerta.

Quando há casos confirmados, as secretarias de Saúde tomam duas principais medidas. A primeira é realizar o controle vetorial, com aplicação de inseticida, para evitar que os mosquitos piquem as pessoas contaminadas e levem a doença adiante. A segunda é buscar eliminar focos de proliferação do mosquito.

Previna-se da dengue

Com hábitos diurnos, o mosquito Aedes aegypti tem, em média, menos de um centímetro de tamanho, é escuro e com riscos brancos nas patas, na cabeça e no corpo. Para se reproduzir, ele precisa de locais com água parada, onde ele deposita seus ovos. A Secretaria Estadual de Saúde faz estas recomendações para evitar a reprodução do mosquito:

  • Tampar caixas d’água, tonéis e latões.
  • Guardar garrafas vazias viradas para baixo.
  • Guardar pneus sob abrigos.
  • Não acumular água nos pratos de vasos de plantas e enchê-los com areia.
  • Manter desentupidos ralos, canos, calhas, toldos e marquises.
  • Manter lixeiras fechadas.
  • Manter piscinas tratadas o ano inteiro.

 

 

Fonte Gaúcha/Zh

Converse com a Fandango