Professores Municipais de Cachoeira, reagem ao mudança no pagamento do regime suplementar

O Governo Ghignatti quer ajuizar uma ação na Justiça para contestar a forma de pagamento do Regime Suplementar de Trabalho (RST) relativo ao magistério. O assunto foi tratado em uma reunião realizada nesta quarta-feira (24) na Prefeitura com a presença da direção do Sindicato dos Professores de Cachoeira do Sul (Siprom). No final do encontro, a assessoria jurídica do Sindicato reagiu à ideia do governo por entender a questão de maneira diferente.

No entendimento da jurídica da Prefeitura, hoje o RST é pago com todos os diretos que o professor possui na matrícula. Foi informado ao Siprom que há “um equívoco e, por isto, o governo vai buscar parecer jurídico. Se o judiciário der parecer favorável à Prefeitura, o RST será pago sobre o básico dos professores.

A presidente do Siprom, Josie Rosa, disse que a explicação é que a Jurídica do prefeito fez um estudo da legislação e que entendem que não pode estender vantagem sobre vantagem. “Ainda disseram que buscarão valores passados e que os valores incorporados serão analisados”, afirmou.

Para Josie Rosa, a direção do Siprom não concorda e destaca que este assunto está bem claro no Plano de Carreira do Magistério de Cachoeira do Sul no seus artigos 19 e 20. “Comunicamos o nosso descontentamento com o atual governo, que está cada vez mais buscando formas de tirar dos servidores tudo o que pode. Não conseguiu nada através de projetos de lei e agora fala em justiça”, salientou a presidente do Siprom.

Converse com a Fandango