Região se mobiliza pela duplicação da RSC 287. Cachoeira só assiste: Lamentável

O pesquisador responsável pela elaboração do Plano Estadual de Logística de Transportes (Pelt-RS), Luiz Afonso Senna, será o palestrante do primeiro fórum técnico do Duplica 287, em Santa Cruz do Sul. Senna, que no Pelt aponta para a necessidade de duplicação da RSC-287, trará embasamento técnico à pauta do movimento. A data do fórum será confirmada na próxima sexta-feira.

Na terça-feira, o grupo que coordena a mobilização no Vale do Rio Pardo apresentou a campanha publicitária, a carta do manifesto que será entregue aos candidatos ao governo do Estado e os primeiros compromissos da agenda oficial do movimento. A reunião foi realizada na Associação de Entidades Empresariais de Santa Cruz do Sul (Assemp). Como sempre nenhuma liderança política ou empresarial de Cachoeira do Sul se fez presente.

Para o presidente da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Santa Cruz, Lucas Rubinger, a presença de Senna no primeiro fórum será esclarecedora. “Faremos um debate, com a presença de outro técnico aqui da região. Queremos uma nova rodovia, por isso, necessitamos de informações qualificadas”, destaca. A data do evento será confirmada após reunião com Senna, que é professor do Departamento de Engenharia de Produção e Transportes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). O Pelt foi encomendado pelo governo do Estado.

Já o manifesto, assinado por 29 entidades do Vale do Rio Pardo e das regiões Centro e Jacuí-Centro, destaca a importância da parceria público–privada como alternativa à duplicação, a partir da concessão da 287. A obra “só será possível com investimento privado”, diz o documento, que também apresenta a necessidade de criação de um marco regulatório para esta concessão, estipulando como prazo para andamento do processo os primeiros cem dias do próximo governo.

Todo o material exibido durante a reunião de ontem está disponível para uso no site do movimento. O endereço é www.duplica287.com.br. Formatos de anúncios de publicidade e outdoors, além do texto para a propaganda de rádio, estão prontos para serem utilizados.

“Estamos realizando parcerias com veículos de comunicação”, destaca o presidente da ACI de Santa Cruz, Lucas Rubinger. Segundo ele, cada uma das entidades pode “adotar” peças publicitárias e programá-las com os veículos de comunicação de cada município ou região.

Pelt-RS, coordenado por Luiz Afonso Senna e apresentado pela Secretaria Estadual do Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), aponta que até 2024 o trecho com cerca de 77 quilômetros entre Santa Cruz do Sul e a ligação com a BR-386, em Tabaí, deverá ser duplicado. Para esta fase, são necessários R$ 591 milhões.

No outro sentido da rodovia, nos 144 quilômetros que separam Santa Cruz e Santa Maria, o custo da duplicação é de R$ 1 bilhão. Neste trecho, a obra deve ser realizada até 2039, segundo o mesmo estudo.

A concessão à iniciativa privada é apontada como o único meio de viabilizar os investimentos necessários para duplicação, estimados em R$ 1,5 bilhão. Por conta disso, a partir do estudo, o governo gaúcho incluiu a RSC-287 no plano das concessões, que deverá ser apresentado em novembro deste ano.

Entidades que se mobilizam pela duplicação:

Com informações Jornal Gazeta de Santa Cruz

Converse com a Fandango