Água da Chuva invade residências na Rua Esperanto e Prefeitura de Cachoeira nada faz

As famílias residentes na Rua Esperanto, proximidades da Rua Conde de Porto Alegre, no Bairro Cristo Rei, em Cachoeira do Sul, estão desesperadas. Elas perderam a conta de quantos contatos fizeram com a Prefeitura, para que suas casas não sejam alagadas e, para aumentar os transtornos, quebrou uma canalização e uma enorme foi aberta em um terreno ao lado da moradia, 896. A força da água levou cerca e pode derrubar a parede de uma casa.

A água que chega à Esperanto desce do Bairro Carvalho e depois que foi aberto um suspiro no muro do Parque do Sindicato Rural, a situação piorou. A inundação alagou toda a Rua Esperanto e chegou com força na Conde de Porto Alegre em direção ao Arroio Amorim. Os moradores cobram providências e, na manhã desta terça-feira (17) com enxadas tentaram encontrar uma saída para a água.

Segundo a dona de casa, Rosângela Silva, que residente no número 896, da Esperanto, a Secretaria de Obras e a Defesa Civil foram comunicadas há tempo da situação enfrentada a cada período de chuva. “Vou perder a minha casa se nada for feito rapidamente”, desabafa, acrescentando que os moradores não sabem mais a quem recorrer.

Ela disse que a cratera ao lado de sua casa é antiga e junto com vizinhos já pediu auxílio da Defesa Civil. A chuva forte desta terça-feira contribuiu para aumentar a tensão das famílias. “É preciso abrir um bueiro para escoar a água até a Rua Conde de Porto Alegre”, afirmou o morador Adão Siqueira, que se a Prefeitura necessitar ele se dispõe a ajudar em encontrar uma solução para os constantes alagamentos.

O coordenador da Defesa Civil Municipal, Edson Júnior, disse que já tem conhecimento do problema e está esperando o tempo melhorar para verificar o que pode ser feito na Rua Esperanto. “Trata-se de um trabalho que exige atenção, mas vamos buscar uma solução”, promete o coordenador.

 

 

Jornal O Correio e Rádio Fandango AM/FM

Converse com a Fandango