Informações sobre preços do diesel ainda não estão em todos os postos

Nem todos os postos de combustíveis  estão cumprindo a determinação de informar, por meio de placas visíveis aos clientes, o valor que era cobrado pelo litro de diesel no dia 21 de maio. A regra foi determinada por meio de portaria do Ministério da Justiça, publicada no dia 1º de junho em edição extra do Diário Oficial da União. A medida foi adotada pelo governo federal sob a justificativa de garantir que a redução de R$ 0,46 por litro deste combustível, nas refinarias, seja repassada ao consumidor final.

Apesar de estarem alterando as placas com o preço da gasolina e do etanol, os funcionários de um posto ainda não haviam sido informados sobre a necessidade de apresentar, próximo às bombas de diesel, o valor que era cobrado em 21 de maio. De acordo com funcionários do posto, os R$ 3,999 cobrados pelo litro de diesel não foram reduzidos por conta de o estoque ser antigo e não ter, ainda, o desconto de R$0,46 dado pelas refinarias. Segundo as chefias do posto que estava sem as placas com os preços antigos, não houve esclarecimento das autoridades sobre os procedimentos que devem ser adotados.

O Ministério da Justiça (MJ) informou que, para não repassarem o desconto, os postos de combustíveis precisam comprovar, por meio de nota fiscal, que o estoque comprado é antigo e não contém o desconto. Mesmo assim, segundo técnicos jurídicos do MJ, é obrigatória a apresentação do preço na data de 21 de maio. Caso o cliente questione o preço sem o desconto, cabe ao posto apresentar as notas para comprovar que a venda é ainda do estoque sem desconto.

 

Converse com a Fandango