Governos Sartori e Temer dão um calote de R$ 14,6 milhões na Prefeitura de Cachoeira

É de R$ 14,6 milhões a dívida dos governos estadual e federal com a Prefeitura de Cachoeira do Sul desde janeiro deste ano. R$ 5,6 milhões são do Estado e R$ 9 milhões, do governo federal. Os recursos devidos fazem parte de programas na área da saúde. Os R$ 14,6 milhões correspondem ao pagamento de três folhas salariais dos servidores.

A informação foi dada pelo prefeito Sergio Ghignatti, em entrevista nesta sexta-feira pela manhã, na Rádio Fandango AM/FM. Segundo Ghignatti, apesar do calote, a Prefeitura não desativou nenhum setor na área da saúde, mas lamenta que a dívida chegue a este valor. Por telefone, a pedido do prefeito, a secretária da Fazenda, Viviane Dias, esclareceu que o débito se refere a programas em que parte é de responsabilidade do Estado e parte do governo federal. “Esta situação nos preocupa muito”, sintetizou.

“Estamos cobrando sistematicamente o Estado e a União”, revelou Ghignatti, acrescentando que a partir de terça-feira (5) estará em Brasília. Vai em busca de dinheiro para a área da saúde como é o caso da solicitação do aumento do teto (recursos) para a oncologia. Desde 5 de setembro, o Ministério da Saúde ficou de dar uma posição se concorda ou não com a elevação do repasse dos recursos para a oncologia.

ATENÇÃO

A Prefeitura de Cachoeira do Sul justifica que os R$ 133 mil repassados mensalmente não são suficientes para manter a oncologia e que cerca de R$ 200 mil são complementados pela Secretaria da Fazenda. O governo Ghignatti pediu que 12 prefeituras da região, que têm pacientes atendidos na oncologia, ajudassem financeiramente nas despesas. A ideia não deu certo tanto que o prefeito vai na segunda-feira (4) ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) em busca de orientação se é possível cobrar as prefeituras pelo serviço de oncologia.

 

Fonte Rádio Fandango AM/FM – Jornal O Correio On Line

Converse com a Fandango