UFSM: HUSM desenvolve projeto para reesterilização de máscaras N95

Um dos principais desafios enfrentados pelo sistema de saúde durante a pandemia de COVID-19 tem sido a escassez de equipamentos. Uma das alternativas encontradas para o problema é a reesterilização dos materiais. Em Santa Maria, o Hospital Universitário (HUSM) desenvolveu um projeto de reesterilização e reaproveitamento de Equipamentos de proteção individual (EPIs) através do uso de irradiação germicida ultravioleta (UVGI).

De acordo com o professor da UFSM e médico do HUSM, Alexandre Schwarzbold, a pandemia causada pelo novo coronavírus exige muitos recursos dos sistemas de saúde em todo o mundo e criou uma perigosa escassez de EPIs. Entre os materiais em falta estão as máscaras faciais com filtro N95, usadas no atendimento direto a um caso suspeito ou confirmado. Diante desse cenário, os físico-médicos do HUSM Guilherme Lopes Weis, Tadeu Baumhardt e Herculis Rolins Torres desenvolveram um procedimento de descontaminação das máscaras faciais N95, juntamente com os professores André Schuch, Lúcio Dorneles e Alexandre Schwarzbold. O processo envolve a liberação de irradiação UVGI, semelhante a um protocolo desenvolvido e utilizado na Universidade de Nebraska (EUA).

De acordo com o protocolo de Serviço de Controle de Infecção do HUSM, ao invés do descarte após o uso das máscaras, a instituição construirá um fluxo de recolhimento e armazenamento para reprocessá-las em ambiente seguro e adequado através da aplicação da irradiação UVGI: “A UVGI demonstrou inativar efetivamente uma ampla gama de patógenos humanos, incluindo o coronavírus e outros vírus respiratórios, em vários modelos de máscaras N95. Os níveis de UVGI necessários para inativar os vírus respiratórios humanos estão bem abaixo do nível de irradiação que afeta adversamente as características de filtração e integridade das máscaras e podem ser administrados com segurança pelos profissionais quando houver salvaguardas apropriadas”, esclarece Schwarzbold.

Segundo o professor, o projeto está pronto para ser implantado, mas apenas será utilizado em casos de escassez ou ausência de EPIs adequados para a segurança dos profissionais de saúde que atendem os pacientes infectados. Inicialmente, o protocolo só irá ser aplicado em máscaras N95, por serem caras e usadas em grande escala, podendo ficar escassas em um momento de crescimento exponencial da epidemia.

Como funciona o procedimento ?

As máscaras são presas em fios amarrados em uma caixa/armário com exposição à oito lâmpadas de 254 nm, usadas rotineiramente em gabinetes de biossegurança. Monitora-se a dose de exposição ao UVGI fornecida com um medidor de UVGI para verificar se a exposição desejada foi alcançada. O monitoramento é realizado à distância, pois a irradiação pode causar danos aos olhos e pele. Planeja-se descontaminar e reutilizar as máscaras N95 até 3 vezes, garantindo a integridade da máscara nesse período.

Schwarzbold esclarece que o método é resultado de vários testes em algumas universidades americanas e europeias e de revisão da literatura científica. O risco parece ser bem maior com a falta do EPI adequado, improvisação no uso, o mal uso ou o reuso por mais tempo sem segurança e avaliação. Para ele, o projeto desenvolvido no HUSM é pioneiro na utilização de irradiação de UV-C. A Universidade de São Paulo (USP), por exemplo, está utilizando outros métodos para descontaminação, como o calor. “O projeto se insere na preocupação geral dos gestores públicos, em especial os do setor de saúde, com o preparo do sistema sanitário para atender os casos críticos mantendo a segurança dos profissionais,” finaliza o professor.

Reportagem: Ana Júlia Müller Fernandes, bolsista de jornalismo da Agência de Notícias da UFSM
Edição: Davi Pereira

Fotos: Mariângela Recchia – Assessoria de Comunicação do Hospital Universitário

Converse com a Fandango