Riscos de hospitalização e morte da Ômicron são 50% a 60% inferiores aos da variante Delta

A variante Ômicron do novo coronavírus, responsável por dois terços dos novos casos de Covid-19 na Europa e que tem causado um surto de novas infecções no Brasil, representa menos 50% a 60% de risco de hospitalização e morte do que cepas anteriores, como a Delta. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (21) pelo Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC).

O ECDC diz que estudos feitos em vários cenários mostraram que risco de hospitalização foi menor para a Ômicron do que para a variante Delta. As pesquisas levaram em consideração a imunidade prévia à infecção, a vacinação, incluindo doses de reforço, e as melhores opções de tratamento contribuem para resultados menos graves. “Isso tudo torna difícil estimar o risco inerente de infecção grave”, afirma a agência europeia.

Ainda assim, “a maioria dos estudos encontrou redução de risco da ordem de 50% a 60%”, acrescenta.

Outros estudos iniciais apontam que as vacinas atuais podem ser menos eficazes contra a Ômicron, mas proporcionam proteção contra hospitalização e doenças graves. No entanto, a facilidade de propagação e o elevado número de casos tornam a variante uma ameaça alto em nível global para a saúde pública.

Ainda segundo a ECDC, a média de idade dos atingidos pela Ômicron é de 20 a 33 anos e que a transmissão ocorre principalmente em nível local, sendo apenas 7% de casos importados ou relacionados com viagens.

 

 

fonte Ibahia

Converse com a Fandango