Depois de protestos, Ghignatti volta atrás e irá manter EJA em 5 escolas municipais

Depois dos protestos ocorridos durante a semana pelas comunidades onde estão as escolas, e  de vários estudos e propostas para a manutenção de cinco escolas com Educação de Jovens e Adultos (EJA), o prefeito Sergio Ghignatti concordou com as alternativas apresentadas pela Secretária de Educação, Ana Margarete Viviam Machado e a coordenadora da EJA, Jaqueline Gonçalves, e vai manter as escolas em funcionamento.

A alternativa encontrada pela SMEd foi a reestruturação das turmas e reorganização do quadro de professores. As escolas menores terão uma turma de módulos iniciais e uma de finais e nas maiores terá uma de iniciais e duas de finais. Com a reestruturação da EJA, diminuirá de 60 para 27 o número de profissionais atuando, desde professores até os coordenadores administrativos e pedagógicos. A economia com estas mudanças atingem a casa de cerca de R$ 100 mil, pois os profissionais serão deslocados para outras escolas.

Por não haver clientela, o único fechamento de EJA será o da Escola Municipal Milton da Cruz, o que aconteceu em comum acordo entre a SMEd e a escola. “O prefeito Ghignatti foi sensível as várias manifestações de apoio as EJAs. No entanto, a SMEd teve que dar a sua contrapartida e buscar estratégias para reduzir os custos e permitir que a EJA fosse sustentável. Desta forma, as comunidades permanecem sendo atendidas a Prefeitura cumpre o seu papel social em oferecer a oportunidade destes alunos que não tiveram acesso à educação na idade certa de seguirem estudando”, explicou Ana Margarete.

Ana frisa ainda que a partir de agora, as cinco escolas que manterão a EJA tem o compromisso de mobilizar a comunidade e manter o número de alunos para garantir as turmas em funcionamento.

As escolas com EJA

– Alarico Ribeiro

– Dora Abreu

– Maria Pacicco de Freitas

– Dinah Néri Pereira

– Baltazar de Bem

Fonte: SMEd

Converse com a Fandango