Registros da rede estadual escolar passam a acolher transgêneros

Alunos das escolas estaduais do Rio Grande do Sul, a partir de agora, poderão se autodeclarar transgêneros e a nova condição passará a figurar nos registros públicos da rede estadual de ensino, como boletins, histórico escolar, diplomas, certificados, cadernos de chamada e outros.  Anteriormente era aceito apenas o novo nome social do aluno que figurava juntamente com o nome original constante no registro de nascimento.
 
Os interessados no novo procedimento deverão entrar em contato com a Coordenadoria Regional de Educação (CRE), onde está situada a sua escola, ou diretamente na Secretaria Estadual de Educação, na capital, e protocolar o pedido.  É preciso anexar a certidão de nascimento atualizada no cartório, onde conste o novo nome e gênero adotado.
 
O interessado também poderá juntar ao requerimento outros documentos adicionais que comprovem a sua condição de transgênero.  Os ex-alunos da rede que desejarem atualizar os dados do seu registro escolar também poderão fazê-lo, utilizando o mesmo procedimento.
 
O memorando foi assinado pelo Secretário Estadual de Educação Ronald Krummenauer e cumpre   as normativas do Supremo Tribunal Federal (STF), que deferiu o pedido da Procuradoria-Geral da República perante o caso. “É uma iniciativa que acontece de forma natural e de respeito às diversidades”, destaca Krummenauer.
 
Para tratar do assunto, a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), está promovendo encontros de formação pedagógica sobre o tema, com representantes dos EJA (Ensino de Jovens e Adultos) de todo o Estado. “ Os espaços escolares precisam contribuir para a promoção da cidadania e o respeito às múltiplas diferenças identitárias que constituem o ser humano”, ressalta Alessandra Bohm, assessora pedagógica da Seduc, que profere as palestras.
 
Decisão do STF
 
No último dia 1° de agosto, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu ser possível a alteração de nome e gênero no assento de registro civil mesmo sem a realização de procedimento cirúrgico de redesignação de sexo. A ação foi ajuizada pela Procuradoria-Geral da República a fim de que fosse dada interpretação conforme a Constituição Federal ao artigo 58 da Lei 6.015/1973, que dispõe sobre os registros públicos, no sentido de ser possível a alteração de prenome e gênero no registro civil mediante averbação no registro original, independentemente de cirurgia de transgenitalização. Na ocasião, todos os ministros foram favoráveis ao direito e a maioria entendeu que, para a alteração, não é necessária autorização judicial.
 
Converse com a Fandango