Ministério da Saúde ainda não conseguiu identificar causa do maior surto de Toxoplasmose do mundo, ocorrido em Santa Maria

Nos primeiros meses de 2018, as suspeitas apontavam apenas para um grande número de casos de síndrome febril em Santa Maria. Em abril, foi confirmado pelas autoridades que se tratavam de um surto de toxoplasmose. Passado quase meio ano do surgimento dos primeiros pacientes e de um mês de investigação que envolveu técnicos do Ministério da Saúde, a causa da propagação da doença continua sem identificação e nenhuma possibilidade é descartada. Já é o o maior surto da enfermidade registrado no mundo.

Em uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira (18), foi apresentado o boletim atualizado da doença no município. Até o momento, são confirmados 569 casos de toxoplasmose – 59 a mais do que no último levantamento divulgado em 8 de junho. Desse total, 50 são gestantes, três resultaram em óbitos fetais e dois em abortos. Há, ainda, 312 casos em investigação. A doença atinge 38 de 41 bairros de Santa Maria.

No encontro – que reuniu representantes do Ministério da Saúde, do Estado e do município –, o coordenador de Doenças Transmissíveis do ministério, Renato Alves, afirmou que o trabalho dos técnicos do governo federal foi concluído na semana passada, mas disse que ainda é preciso fazer a relação desses dados para identificar quais semelhanças existem entre eles. Por isso, não há um prazo específico para identificar a possível fonte de propagação do surto:

— As investigações de surto de toxoplasmose, de maneira geral, são bastante complexas e demandam muito tempo. É preciso identificar casos, se aconteceram em um mesmo período de tempo. Esse talvez seja o maior desafio. A partir disso, é feita uma investigação de campo, com aplicação de questionários, coletas de dados. O momento em que estamos agora é da análise preliminar desses dados, só descritiva. Ainda não se verificou se existe alguma associação entre os fatores de consumo das pessoas e a doença. A partir de agora, faremos uma análise estatística desses dados para ver se apontam em alguma direção de uma possível fonte de infecção.

Converse com a Fandango