É hora dos Bancos explicarem o porquê de juros altos, diz ex Ministro José Dirceu

“O crédito pessoal, das famílias, para comprar bens duráveis, é de mais de 100%. Os bancos ganham em média 25% a 30% sobre o dinheiro que tomam emprestado do cidadão. A diferença entre o que os bancos pagam para nós, por colocarmos um dinheiro no banco, e o lucro que têm é de 30% a 40%, chega a 45% em operações no mercado livre”, disse. “Se um banco, e o sistema todo empresta hoje, por exemplo, R$ 1 trilhão e meio de recursos livres, se o spread, quer dizer, a diferença que o banco ganha é de 25%, significa R$ 400 bilhões, sobre R$ 1 trilhão e meio. É um assalto. Não há em nenhum país do mundo essas taxas de juros, elas não existem”, acrescenta.

Segundo o ex-ministro, “é hora de pedir para os bancos explicarem para o país o porquê desses juros altos”. “O que dizem os bancos? Que é por causa da inadimplência, mas a inadimplência não chega a 3,5% em média, e vem caindo. Dizem que é por causa da tributação, mas a tributação brasileira é considerada uma das mais baixas do mundo. Dizem que é por causa do governo, da burocracia, mas os bancos recebem todos os anos R$ 23 bilhões em tarifas. Com isso praticamente pagam o investimento tecnológico e a folha pessoal”.

Dirceu também afirma ser necessário “denunciar e lutar contra essa falácia de independência do Banco Central”. “Querem mais, agora autorizaram o Banco Central dar a última palavra sobre fusões e aquisições, não mais o Cade. Ou seja, o órgão que tem que combater a formação de monopólios e cartéis, transfere, quando se trata dos bancos, para o Banco Central, que é controlado pelos bancos, o combate ao monopólio”.

Converse com a Fandango