Salário Mínimo para família de 4 pessoas deveria ser de R$ 3.752,65,

Em janeiro, o preço até subiu na comparação com dezembro, mas a cesta básica está mais barata do que no ano passado. O ano foi de inflação baixa, puxada exatamente pelo preço dos alimentos.

Quando as manchetes falam em queda da inflação, os leitores reclamam dizendo que tudo sobe e até questionam as estatísticas. Até o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ouviu isso passeando por um supermercado e falando com consumidores nos últimos dias. A coluna já falou bastante sobre como é feito o cálculo dos índices:

Dizer que há queda da inflação e nos preços dos alimentos não é mesmo que falar que o custo de vida no Brasil é baixo. Um caso é a variação em cima de base altas, como é a inflação. Outro é o salário não ser suficiente para uma vida digna.

O levantamento do Dieese costuma trazer dados além do preço da cesta básica, que está em R$ 446,69. Entre eles, que o conjunto de 13 alimentos básicos custa, em Porto Alegre, 50,89% do salário mínimo líquido, já com o desconto da Previdência Social. Um pouco acima de dezembro e um pouco abaixo de janeiro de 2017.

O trabalhador que ganha um salário mínimo necessitou, em janeiro, cumprir uma jornada de 103 horas e 1 minuto para comprar uma cesta básica. Mas aí vem o cálculo que costuma chamar mais atenção de quem lê a análise do Dieese, que considera princípio constucional de que o mínimo deveria cobrir as necessidades básicas para uma família de quatro pessoas:

— Em janeiro de 2018, o salário mínimo necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 3.752,65, ou 3,93 vezes o mínimo, já reajustado abaixo da inflação, no valor de R$ 954 — informa Daniela Sandi, supervisora do Dieese em Porto Alegre.

Apesar disso, a variação da cesta básica no período do Plano Real ficou em 570,20%, enquanto a inflação medida pelo INPC, do IBGE, acumulou 489,45%. O salário mínimo registrou alta nominal de 1.372,45% desde lá. Lembrando que, em janeiro de 2018, houve o reajuste de apenas 1,81% no salário mínimo nacional, o menor em 24 anos.

fonte Rádio Gaúcha

Converse com a Fandango