Empregos formais em Cachoeira, devem aumentar em 2018, diz Secretário Desenvolvimento

Os dados de novembro do Cadastro de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, divulgados nesta sexta-feira (26), mostram que Cachoeira do Sul fechou 2017 com saldo negativo de 153 vagas com carteira assinada, queda de 1,18% em números ajustados. O Rio Grande do Sul perdeu 12.369 empregos, menos 0,49%, e o Brasil diminuiu 123.429 empregados formais, menos 0,32%, sempre em números com ajustes.

No município, contribuiu para o resultado negativo de dezembro as demissões de trabalhadores temporários, contratados para as festas de final de ano pelo comércio (-10) e serviços (-13). A indústria de transformação também pesou negativamente com menos 21 vagas em dezembro e queda de 158 industriários em todo o 2017. Para o secretário municipal de Desenvolvimento, Ronaldo Tonet, deve ser ressaltado o setor de serviços que ampliou em 83 as contratações no ano passado, atingindo 4.320 empregos regidos pela CLT, o que representa quase 34% do total existente em Cachoeira.

Os indicadores apontam uma melhora em 2018, principalmente para a indústria voltada para o agronegócio, base da nossa economia” analisa Tonet. “Há projeção de aumento das atividades de empresas do setor secundário, como a Granol, bem como o crescimento das contratações visando atender obras civis, entre elas a implantação da unidade de beneficiamento de madeira da Todeschini e a recuperação da Ponte do Fandango, por exemplo”. Cachoeira do Sul iniciou o ano com 12.837 empregos com carteira assinada.

Converse com a Fandango