Federasul defende reajuste inferior a 2% para o piso mínimo regional

A Federasul apresentou proposta de reajuste de 1,78% para o salário mínimo regional em 2018. O índice é baseado na inflação calculada pelo INPC da região Metropolitana. É a primeira entidade do setor empresarial a se manifestar abertamente sobre o tema. As demais organizações devem apresentar índices semelhantes.

Conforme a presidente da Federasul, Simone Leite, a proposta comporta o pagamento da variação da inflação.”Precisamos fazer com que os trabalhadores possam suportar suas despesas, mas também não podemos onerar tanto os empregadores. Por isso apresentamos o INPC que está em 1,78%, conforme os dados de novembro. É a recomposição da inflação”.

A Federação das Indústrias (Fiergs) e a Fecomércio  ainda não se manifestaram. Já as centrais sindicais pedem reajuste de 5,5% sobre o mínimo regional, a fim de recuperar a diferença original entre o piso local e o mínimo nacional, quando o benefício foi criado, em 2002. O primeiro encontro entre entidades empresariais e trabalhistas ocorreu na semana passada junto a Secretaria do Planejamento. As reuniões vão basear o índice a ser encaminhado pelo Piratini à Assembleia Legislativa. A pauta deve ser votada em abril.

Em 2017, a Assembleia Legislativa aprovou um aumento de 6,48%, o que corresponde à inflação do período. Cerca de 1,3 milhão de trabalhadores recebem o mínimo regional no Rio Grande do Sul. A faixa mais baixa hoje está em R$ 1.175,15.

 

fonte Rádio Guaíba

Converse com a Fandango