Servidores P√ļblicos preparam lobby para barrar reforma da Previd√™ncia

Fortemente atingidos pela proposta de reforma previdenci√°ria enviada pelo governo ao Congresso, os servidores p√ļblicos preparam um lobby poderoso para defender a manuten√ß√£o daquilo que o pr√≥prio ministro da Fazenda, Paulo Guedes, classificou de “privil√©gios”. Al√©m de fazer press√£o diretamente nos parlamentares que v√£o votar o projeto, as categorias tamb√©m elaboram um plano de a√ß√£o com ramifica√ß√Ķes nas bases eleitorais dos deputados, com o objetivo de desestabilizar a base aliada do governo no Congresso Nacional.

As entidades que representam os servidores j√° est√£o procurando ministros, autoridades e lideran√ßas no Congresso para tentar emplacar flexibiliza√ß√Ķes no texto.

O l√≠der do governo na C√Ęmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), por exemplo, publicou em sua conta no Twitter uma lista de 22 entidades, sobretudo de sindicatos e associa√ß√Ķes que defendem os interesses dos servidores p√ļblicos, com quem se encontrou nos √ļltimos dias.

As novas regras propostas pelo governo para os servidores p√ļblicos endurecem bastante o caminho para se chegar √† aposentadoria. Para quem entrou no servi√ßo p√ļblico ap√≥s 2003, as regras passam a ser as mesmas do INSS.

Quem entrou antes disso manter√° o direito a receber o √ļltimo sal√°rio recebido na ativa (integralidade) e a ter os mesmos reajustes de quem est√° trabalhando (paridade) – mas, para isso, j√° ter√° de atingir a idade m√≠nima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres.

Al√©m disso, as al√≠quotas pagas pelos servidores para a aposentadoria seguir√£o uma escala, a depender do sal√°rio. Come√ßam em 7,5%, para quem ganha at√© um sal√°rio m√≠nimo e podem chegar a 22%, para quem ganha mais de R$ 39 mil (o teto salarial do servi√ßo p√ļblico √© R$ 39,2 mil, mas h√° servidores que extrapolam esse limite).

Os servidores querem evitar essas mudanças a todo custo. Alguns sindicatos estão mapeando a opinião de deputados sobre pontos específicos da proposta e planejam fazer cartazes com a foto dos parlamentares escancarando sua posição.

“Vamos fazer toda a press√£o necess√°ria. Estamos fazendo cartazes com fotos dos deputados, cada entidade filiada est√° preparando isso e colocando em outdoor, distribuindo nas reparti√ß√Ķes p√ļblicas, para que possa fazer press√£o”, diz o presidente da Confedera√ß√£o Nacional dos Trabalhadores em Educa√ß√£o (CNTE), Heleno Ara√ļjo Filho.

As entidades tamb√©m amea√ßam ir √† Justi√ßa contra as al√≠quotas que aumentam conforme o sal√°rio, e classificam a medida de “confisco”.

Segundo Mauro Silva, diretor t√©cnico da Unafisco (que representa os auditores fiscais da Receita), a entidade possui estudos que mostram que a al√≠quota de 11% √© suficiente para o pagamento das aposentadorias do funcionalismo.¬†As informa√ß√Ķes s√£o do jornal¬†O Estado de S. Paulo.

Comente este artigo..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *