Reduzida para 228,1 milh√Ķes de toneladas previs√£o de safra de gr√£os, diz IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica (IBGE) reduziu para 228,1 milh√Ķes de toneladas a previs√£o da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deste ano. A estimativa do Levantamento Sistem√°tico da Produ√ß√£o Agr√≠cola, feita em maio, √© 0,8% inferior (ou 1,9 milh√£o de toneladas) na compara√ß√£o com a de abril.

Caso os n√ļmeros se confirmem, a safra ser√° 5,2% menor que a de 2017, que ficou em 240,6 milh√Ķes de toneladas.

A queda em rela√ß√£o a 2017 dever√° ser provocada principalmente pelos recuos nas safras de milho (-15,1%) e de arroz (-7%). No entanto, o principal produto, que √© a soja, dever√° ter um aumento de 0,7% na compara√ß√£o com o ano passado, atingindo um recorde hist√≥rico de 115,8 milh√Ķes de toneladas.

Outras lavouras importantes de grãos terão aumento na produção, como o trigo (0,2%), feijão (2,6%), algodão (21,6%) e sorgo (11,6%).

Outros produtos

O Levantamento Sistem√°tico da Produ√ß√£o Agr√≠cola tamb√©m analisa o comportamento de outras lavouras. A cana-de-a√ß√ļcar, principal produto agr√≠cola brasileiro em volume de produ√ß√£o, dever√° fechar o ano com 703,1 milh√Ķes de toneladas, 2,2% a mais do que no ano passado.

O caf√©, com 3,4 milh√Ķes de toneladas, deve ter aumento de 23,3% em rela√ß√£o ao ano passado. A mandioca tamb√©m dever√° ter alta (0,5%), assim como o tomate (0,6%) e o cacau (8,3%).

Dever√£o ter quedas a laranja (-9,4%), uva (-17,5%), batata-inglesa (-11,1%), banana (-3%) e o fumo em folha (-5,8%).