Produção de motocicletas cresce 5,2% em setembro

A produção de motocicletas em setembro foi de 80.690 unidades, crescimento de 5,2% sobre o mesmo mês em 2017. O levantamento foi divulgado hoje (9) pela Associação Brasileira de Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e similares (Abraciclo) na capital paulista.
No acumulado de janeiro at√© setembro, a alta na produ√ß√£o foi de 19,2% em rela√ß√£o ao mesmo per√≠odo do ano passado. Na compara√ß√£o com agosto, houve redu√ß√£o de 23,4% atribu√≠do, em parte, ao menor n√ļmero de dias √ļteis (quatro a menos).

As vendas no atacado tiveram alta de 20,9% em setembro sobre o mesmo mês em 2017. Na comparação com agosto, houve queda de 19,3%. O acumulado de nove meses teve avanço de 18% sobre o mesmo período de 2017.

No varejo, as vendas totalizaram 74.067 unidades em setembro, alta de 11,9% sobre o mesmo mês em 2017. Na comparação com agosto, foi registrada queda de 16,7% e, no acumulado do ano, a comercialização cresceu 8,7% em relação a período similar no ano passado.

Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo avalia que o setor tem se beneficiado da expansão do crédito ao consumidor para as vendas no varejo. O crescimento na produção tem relação com a necessidade de locomoção com baixo consumo de combustível e de baixo custo de manutenção. Fermanian citou a greve dos caminhoneiros e a crise da falta de combustíveis como fatores impulsionadores do mercado.

Apesar desse cen√°rio, segundo o presidente da entidade, nos √ļltimos seis anos, as empresas concession√°rias perderam em capacidade. ‚ÄúAl√©m das que fecharam, muitas est√£o com dificuldades de se recuperar‚ÄĚ, disse. Fermanian afirmou que √© dif√≠cil analisar a conjuntura pol√≠tica com as elei√ß√Ķes e que falta clareza de ambos os candidatos √† presid√™ncia sobre como poder√° ocorrer essa recupera√ß√£o no futuro.

Exportação

As empresas associadas à Abraciclo perderam espaço na exportação devido à crise da Argentina, país que responde por 72,4% do volume exportado pelo Brasil. Em setembro, foram enviadas 3.336 unidades ao exterior, redução de 70,2% sobre o mesmo mês em 2017. Em relação a Agosto, houve queda de 55,7%.

A entidade manteve as proje√ß√Ķes para o final do ano. A produ√ß√£o deve crescer 11%, as vendas no atacado devem aumentar 10,5% e o varejo est√° previsto para crescer 7,5%. A exporta√ß√£o, no entanto, sofrer√£o redu√ß√£o de 2,2%.

 

fonte Agência Brasil