Produção agrícola aumenta área colhida em 2017, mas valor caiu 0,6%

A produ√ß√£o agr√≠cola do Brasil alcan√ßou¬†R$ 319,6 bilh√Ķes em 2017, uma queda de 0,6% em rela√ß√£o a 2016, quando as safras dos 64 produtos pesquisados renderam R$ 321,5 bilh√Ķes.

Em rela√ß√£o √† √°rea colhida, houve um crescimento de 3,6%, chegando a 78,2 milh√Ķes de hectares, de um total de 79 milh√Ķes de hectares plantados. Os dados foram divulgados¬†hoje¬†(13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estat√≠stica (IBGE), na Pesquisa Agr√≠cola Municipal (PAM) ‚Äď 2017.

Segundo o gerente de agricultura do IBGE, Alfredo Guedes, as condi√ß√Ķes clim√°ticas foram ‚Äúexcelentes‚ÄĚ e impulsionaram a produ√ß√£o no ano passado, principalmente a de soja e de¬†milho, que tiveram recupera√ß√£o¬†em 18,9% e 52,3%, respectivamente. Em 2016, tinham registrado¬†perdas¬†de 1,2% e 24,8% por causa da seca provocada pelo fen√īmeno clim√°tico El Ni√Īo.

No entanto, Guedes explica que o recuo de 0,6% foi provocado pelo aumento na produção, pois a elevação de oferta dos produtos leva à diminuição dos preços.

‚ÄúO aumento da oferta fez com que houvesse uma redu√ß√£o de pre√ßo de v√°rios produtos. E quando a gente soma todos esses produtos, a soma foi menor do que em 2016. Apesar de a gente¬†ter¬†produzido muito mais, em termos de valor foi um pouquinho menor‚ÄĚ, explica Guedes. O IBGE destaca que a queda nos pre√ßos ajudar a manter o n√≠vel¬†infla√ß√£o no ano passado.

O valor da produ√ß√£o do milho caiu 12,7%, o feij√£o teve queda de 28,8% e o trigo diminuiu 41,9%, √ļnico produto prejudicado pelo clima. A diminui√ß√£o no valor da produ√ß√£o da batata inglesa chegou a 50,9%.

A principal cultura do pa√≠s continua sendo a soja, que responde por 35,1% da produ√ß√£o agr√≠cola nacional. Em segundo lugar, ficou a cana-de-a√ß√ļcar (17%), em terceiro, o milho (10%). O caf√© tem 5,8% do valor da produ√ß√£o.

Nos dados da PAM 2016, o valor total da produ√ß√£o consta R$ 317,5 bilh√Ķes, mas o valor foi posteriormente revisado para R$ 321,5 bilh√Ķes.

Guedes ressalta que a produção agrícola contribuiu para o equilíbrio da balança comercial brasileira, com valor adicionado de 13% na agropecuária.

‚ÄúFoi o setor que mais cresceu no ano passado. Enquanto outros setores da economia ficaram um pouco estagnados, a agropecu√°ria foi a que teve esse grande destaque no PIB do ano passado, essa grande produ√ß√£o influenciou no PIB do pa√≠s‚ÄĚ.

Distribuição regional

Dos 5.570 municípios do país, apenas 14 não têm produção agrícola, sendo dez deles no estado de São Paulo. Também não têm produção agrícola Recife e Fernando de Noronha (PE), Vitória (ES), e Cabedelo (PB).
São Paulo continua como principal produtor agrícola do país, com 16,6% do total do valor da produção nacional. Depois, vem Mato Grosso (13,6%), Paraná (11,9%), Rio Grande do Sul (11,7%) e Minas Gerais (9,8%).

No ranking¬†dos munic√≠pios, Sorriso, no Mato Grosso, foi o primeiro colocado pela terceira vez seguida, com R$ 3,3 bilh√Ķes de valor da produ√ß√£o, um crescimento de 2,4% em rela√ß√£o a 2016. O principal produto √© a soja, com 2,2 milh√Ķes de toneladas. Em segundo lugar, ficou Sapezal, tamb√©m no Mato Grosso, que produziu R$ 2,6 bilh√Ķes e tem como principal produto o algod√£o. Em terceiro, vem S√£o Desid√©rio, no oeste baiano, que alcan√ßou R$ 2,4 bilh√Ķes.

Do total de municípios produtores, 91,7% cultivam milho.

Entre as regi√Ķes, a√ßa√≠ √© o principal produto na Regi√£o Norte; no Centro-Oeste, no Nordeste e no Sul, a soja √© dominante. No Sudeste, a principal cultura √© cana-de-a√ß√ļcar.

fonte Agência Brasil