População do Alto do Amorim não quer fechamento da EJA da Escola Alarico Ribeiro

A comunidade do Alto do Amorim refor√ßa mobiliza√ß√£o para o n√£o fechamento da Educa√ß√£o de Jovens e Adultos (EJA), que funciona na Escola Municipal Alarico Ribeiro. Por decis√£o da Prefeitura, em 2019 n√£o dever√° funcionar a EJA da Alarico, da Milton da Cruz (Bairro Universit√°rio) e da Maria Pacicco de Freitas (Bom Retiro). A dire√ß√£o, pais e professores da Alarico ocuparam a C√Ęmara na¬† segunda-feira (3) para protestar, conforme o diretor da escola, Paulo Fernando Alves de Souza.

A EJA da Escola Alarico funciona à noite onde em média é frequentado por 50 alunos, atendidos por cinco professores nas disciplinas de Língua Portuguesa, Artes, Língua Inglesa, Matemática, Ciências, História, Geografia e Ensino Religioso. As aulas acontecem de segunda à sexta-feira das 19h às 22h.

De acordo com o diretor, a comunidade n√£o entende o motivo da Prefeitura tomar a decis√£o de encerrar as atividades da EJA. ‚ÄúA economia precisa acontecer em todos os setores, mas estamos falando de educa√ß√£o, imprescind√≠vel na vida das pessoas‚ÄĚ, afirmou Paulo Souza, acrescentando que a EJA da Alarico possui estudantes dos 15 anos aos 50 anos.

PROJETO

A EJA da Escola Alarico Ribeiro não se limitar somente às aulas. Paralelamente, é desenvolvido um projeto denominado Preparando para o Mercado de Trabalho. Existe um cronograma de atividades que mostra ao estudante o que ele optar, quando chegar ao ensino médio, e também como enfrentar uma concorrência na área do trabalho.

Durante o ano, s√£o ministradas aulas t√©cnicas sobre t√©cnico em administra√ß√£o, t√©cnico em agropecu√°ria, t√©cnico em enfermagem, t√©cnico em contabilidade, curso normal e informa√ß√Ķes de poss√≠veis profissionais como, por exemplo, padeiro, manicure e pedicure, operador de caixa, cabeleireiro.

 

O diretor salienta que são convidados a conversar com alunos profissionais de todas as áreas, para que eles tenham uma ideia do campo de trabalho para fortalecer habilidades e competências.

Comente este artigo..