Expectativa de vida do brasileiro cresce para 76 anos

A expectativa de vida do brasileiro passou de 75,8 anos para 76 anos de 2016 para 2017, um aumento de três meses e 11 dias. O dado é da Tábuas Completas de Mortalidade do Brasil de 2017, divulgada hoje (29), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A publica√ß√£o apresenta as expectativas de vida √†s idades exatas at√© os 80 anos e s√£o usadas como um dos par√Ęmetros para determinar o fator previdenci√°rio no c√°lculo das aposentadorias do Regime Geral de Previd√™ncia Social.

Segundo o estudo, a expectativa de vida dos homens aumentou de 72,2 anos em 2016 para 72,5 anos em 2017, enquanto a das mulheres foi de 79,4 para 79,6 anos.

Regionalmente, Santa Catarina apresenta a maior expectativa de vida, de 79,4 anos, seguida por Espírito Santo, 78,5 anos; Distrito Federal, 78,4 anos, e São Paulo, 78,4 anos.

O Rio Grande do Sul (78,0 anos), Minas Gerais (77,5 anos), Paran√° (77,4 anos) e Rio de Janeiro (76,5 anos) s√£o os √ļnicos que t√™m indicadores superiores √† m√©dia nacional. No outro extremo, com as menores expectativas de vida, est√£o Maranh√£o (70,9 anos) e Piau√≠ (71,2 anos).

Ao comentar os resultados do estudo, a pesquisador do IBGE Marcio Minamiguchi disse que a tend√™ncia do pa√≠s √© de converg√™ncia com o n√≠vel dos pa√≠ses desenvolvidos. ‚ÄúTemos uma certa gordura para queimar em rela√ß√£o √† expectativa de vida. No Brasil, tendemos a convergir para o n√≠vel dos pa√≠ses desenvolvidos, que est√£o na faixa dos 83 anos. √Č uma diferen√ßa ainda consider√°vel, mas, se pensarmos que existem pa√≠ses na faixa dos 50 anos, vemos que estamos mais pr√≥ximos dessa faixa superior‚ÄĚ.

Segundo o pesquisador, a tendência é que esse aumento continue de forma gradual e cada vez mais lenta, uma vez que o salto dado no passado foi fruto, sobretudo, de uma forte queda na mortalidade infantil.

‚ÄúInicialmente, os ganhos se davam pela redu√ß√£o da mortalidade entre os mais jovens, em fun√ß√£o da pr√≥pria natureza dos √≥bitos. √Č algo que n√£o necessita de grandes avan√ßos tecnol√≥gicos, como a consci√™ncia de que √© necess√°rio dar √°gua pot√°vel para as crian√ßas. O pr√≥prio soro caseiro foi importante na d√©cada de 1980‚ÄĚ, complementou Minamiguchi.

Expectativa de vida

Nos √ļltimos 77 anos a expectativa de vida do brasileiro aumentou 30,5 anos. Segundo o IBGE, em 1940 a expectativa de vida era de 45,5 anos, sendo 42,9 anos para homens e 48,3 anos para mulheres.

Entre 1940 e 1960, o Brasil praticamente reduziu pela metade a taxa bruta de mortalidade (o n√ļmero de √≥bitos de um ano dividido pela popula√ß√£o total em julho daquele mesmo ano), caindo de 20,9 √≥bitos para cada mil habitantes para 9,8 por mil. Em 1960, a expectativa de vida ao nascer era de 52,5 anos.

Segundo o estudo do IBGE, em 1940, um indivíduo ao completar 50 anos tinha uma expectativa de vida de 19,1 anos, vivendo em média 69,1 anos. Com o declínio da mortalidade nesse período, um mesmo indivíduo de 50 anos, em 2017 teria uma expectativa de vida de 30,5 anos, esperando viver em média até 80,5 anos, ou seja, 11,4 anos a mais do que um indivíduo da mesma idade em 1940.

Homens

Apesar dos avanços nos indicadores de expectativa de vida dos brasileiros, em 2017 um homem de 20 anos tinha 4,5 vezes mais chance de não completar 25 anos do que uma mulher no mesmo grupo de idade.

Esse fen√īmeno pode ser explicado, segundo o IBGE, pela maior incid√™ncia dos √≥bitos por causas externas ou n√£o naturais, que atingem com maior intensidade a popula√ß√£o masculina. ‚ÄúEm 1940, o fen√īmeno da sobremortalidade masculina n√£o era registrado no pa√≠s, o que mostra que ele est√° relacionado com o processo de urbaniza√ß√£o e metropoliza√ß√£o do Brasil‚ÄĚ, diz o IBGE.

A partir de 1980, as mortes associadas √†s causas externas ou n√£o naturais, que incluem os homic√≠dios, suic√≠dios, acidentes de tr√Ęnsito, afogamentos e quedas acidentais, entre ouros, passaram a desempenhar um papel de destaque, de forma negativa, sobre a estrutura por idade das taxas de mortalidade, particularmente dos adultos jovens do sexo masculino.

Idosos

A expectativa de vida dos idosos aumentou em 8,1 anos de 1940 a 2017. Segundo o IBGE, em 1940, de cada mil pessoas que atingiam os 65 anos de idade, 259 chegavam aos 80 anos ou mais. J√° em 2017, de cada mil idosos com 65 anos, 632 completariam 80 anos.

A expectativa de vida ao atingir 80 anos, em 2017, foi de 10,3 anos e 8,6 anos para mulheres e homens, respectivamente. Em 1940, eram de 4,5 anos para as mulheres e 4,0 anos para os homens.

 

 

 

fonte Agência Brasil