Dívidas da Prefeitura, IPE e Governo do Estado para com HCB chegam a R$ 4,6 milhões

Hospital de Caridade e Beneficência (HCB), de Cachoeira do Sul, enfrenta desafios para cumprir seus compromissos assim com as demais instituições de saúde do RS. O caos se deve à falta de pagamento de serviços. No caso hospital, são R$ 4,6 milhões devidos. R$ 2,7 milhões são do IPERGS, R$ 1,3 milhão da Prefeitura e R$ 633 mil do Estado. “Estes devedores são responsáveis por mais de 90% de nossa demanda, 72% SUS e 19% IPERGS”, afirma o superintendente do HCB, Luciano Morschel.

Devido a estes atrasos, o hospital não gerou no seu fluxo de caixa, recursos suficientes para o pagamento do 13º salário dos funcionários, apesar de manter o pagamento das suas obrigações em dia até o momento. Morschel salienta que para cumprir com compromissos como o do 13º salário, o HCB depende do desenrolar das negociações com os credores, operações de crédito e outras alternativas que estão em estudo.

“No caso do HCB, desde janeiro de 2014 não temos nenhum reajuste de tabela ou dos serviços prestados a nível federal, estadual ou municipal”, informa o superintendente.  Neste período a inflação oficial medida pelo INPC, sem considerar que o da área da saúde é maior, foi de 33% que, se fosse aplicado sobre o contrato que o hospital tem com o SUS, acarretaria um incremento de mais de R$ 800 mil reais por mês, quantia que poderia reverter em melhores condições de atendimento à população.

A DÍVIDA

O HCB tem créditos vencidos, no valor de R$ 4.668.280,00 sendo, R$ 2.720.653,00 do IPERGS, R$ 1.314.414,00 da Prefeitura e R$ 633.213,00 do Estado.

IMPORTANTE
A rede de 269 Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Estado, responsáveis por 70% do SUS no RS e que assistem a maior parcela dos beneficiários do IPE Saúde, tem recursos atrasados a receber, que já prejudicam o atendimento de saúde dos gaúchos.

Por parte do Governo do Estado, são R$ 155 milhões a receber, relativos a Programas dos meses de agosto e setembro (R$ 140 milhões) e parte da Produção de Média e Alta Complexidade do mês de setembro que não foi repassada na integralidade aos hospitais (15 milhões).

O IPE-Saúde não vem cumprindo o calendário de pagamento aos hospitais e hoje opera com 26 dias de atraso, totalizando uma dívida com os hospitais filantrópicos de aproximadamente R$ 75 milhões.

Estas dívidas, especialmente no final do ano, época de pagamento de 13º, impõem o caos para a rede de Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Estado. Muitas instituições já cancelaram atendimentos, deixaram de pagar fornecedores, empréstimos, salários, entre outros.

Dados de 13 de novembro:

As dívidas acumuladas pelo Governo do Estado junto à rede de 269 Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do RS estão na seguinte situação:

Atraso no pagamento de Programas/Incentivos

РAgosto: R$ 70 milh̵es

РSetembro: R$ 70 milh̵es

Observação: o pagamento da competência outubro deve ser feito até 30 de novembro.

Atraso no pagamento da Produção SUS (MAC)

РSetembro: R$ 15 milh̵es

РOutubro: R$ 32,5 milh̵es (na data de ontem o Governo efetuou a metade do pagamento MAC. O valor total seria R$ 65 milh̵es)

Total da dívida em 13 de novembro: R$ 187,5 milhões.

Resultado parcial da pesquisa aplicada aos associados da Federação das Santas Casas do RS , levando em conta o não pagamento das dívidas existentes:

– 82% dos que responderam à pesquisa, não terão condições de cumprir com o pagamento do 13º salário

– 35% dos hospitais afirmam ter alguma pendência com salários.

– 13% já trabalha com restrição de atendimentos