Quem teve o auxílio negado pode contestar na Defensoria Pública da União

A Defensoria Pública da União (DPU), em parceria com o Ministério da Cidadania, auxilia pessoas que tiveram o cadastro do auxílio emergencial de R$ 600,00 (ou R$ 1,2 mil para mães solteiras) negado. Os atendimentos feitos pela DPU serão totalmente gratuitos e não haverá necessidade de judicialização do processo. O objetivo é colaborar nos casos em que os cadastros foram negados em virtude da desatualização dos dados pessoais.

Segundo informações da DPU, nos últimos dados publicados, mais de 42 milhões de brasileiros tiveram o cadastro do benefício negado, portanto, os atendimentos serão realizados de preferência online, a fim de evitar aglomerações e risco de contágio da Covid-19. O atendimento da DPU ocorre de forma remota durante a pandemia (telefone, WhatsApp e e-mail). Os contatos da Defensoria Pública da União estão disponíveis na página oficial do órgão.

Para contestar é preciso estar em posse dos documentos atualizados, podendo assim comprovar que se enquadra nos requisitos para o recebimento do benefício concedido pelo governo federal.

O órgão federal também possuiu um site para esclarecer dúvidas e informar os endereços de atendimento: https://www.dpu.def.br/endereco-rio-grande-do-sul. Além disso, o governo federal também disponibilizou um portal para que as pessoas busquem mais informações sobre o auxílio: https://consultaauxilio.dataprev.gov.br/

Comente este artigo..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *