Magistério Gaúcho iniciará greve quando projeto que altera carreiras for protocolado na AL

A presidente do Cpers, Helenir Schürer, garantiu nesta terça-feira que professores e entidades representadas pelo sindicato entrarão em paralisação após o protocolo na Assembleia Legislativa dos projetos do governo do Rio Grande do Sul para reestruturar o funcionalismo. “Já temos uma decisão. E a greve vai ser o espaço de tempo necessário para nos aprofundarmos, estudarmos, apresentarmos contra-proposta ou nos manifestarmos totalmente contra”, explicou a professora, que estima que, 72 horas após o início, será feita uma discussão sobre que rumo seguir.

Os pilares da reforma apresenta pelo Governador Eduardo Leite,  são alterações nas chamadas vantagens temporais, em gratificações, no plano de carreira do magistério e na previdência.

Nesta quarta, às 14h, representantes da entidade participam de reunião com o chefe do Executivo para debater a questão. “Vamos poder esclarecer tudo. Tenho muitas dúvidas sobre o que foi proposto. O que eu conheço até agora é o que foi divulgado na imprensa. Quero ver na íntegra para fazermos uma avaliação serena”, disse. “Esperamos que tenhamos início de um diálogo de construção, mas também temos o compromisso de, assim que recebermos uma proposta, enviá-la para a base de nossa categoria. É com ela que queremos discutir para nos posicionarmos”, completou.

 

 

 

 

 

fonte Correio do Povo

Comente este artigo..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *